Histórias de Intercambista: Camila Rufino Pereira

Esse post é inauguração da categoria “Histórias de Intercambista”, um espaço aberto em nosso Blog para que os intercambistas compartilhem suas histórias, experiências ou uma situação inusitada que aconteceu durante seu intercâmbio.

Hoje vamos conhecer a história da Camila Rufino Pereira, que fez intercâmbio nos Estados Unidos:

A Camila Rufino foi para os Estados Unidos e, claro, trouxe histórias de intercambista para contar

A Camila Rufino foi para os Estados Unidos e, claro, trouxe histórias de intercambista para contar

“Estava em Miami estudando inglês e meu namorado também. Decidimos que próximo ao final da minha viagem, iríamos a alguma cidade que nos interessasse. Optamos por passar 3 dias em Nova York. Quando chegamos lá, estava muito frio e como era noite, ficamos curtindo a vista do nosso quarto no sexto andar do albergue (que estava com elevador quebrado). Antes de dormir, descobrimos que ambos havíamos esquecido de levar pasta de dente. Como a preguiça era grande, escovamos os dentes sem pasta e decidimos comprar no outro dia pela manhã.

No outro dia fomos até uma farmácia e o Nelson, meu namorado, comprou a pasta, enquanto eu comprava um hidratante labial e sombrinhas. No final do dia, quando voltamos ao albergue, resolvi finalmente escovar os dentes com a tão sonhada pasta de dente. O Nelson me disse que todas as pastas da farmácia eram muito grandes e ele preferiu a menor de todas.

Quando fui escovar meus dentes, percebi que a pasta era pegajosa e começou subitamente a colar meus lábios em meus dentes! E eu, desesperadamente, comecei a tentar lavar a boca e retirar toda a pasta. Foi muito difícil. Mesmo com água quente!

Depois de um tempo eu consegui, e o no meio dessa confusão, mesmo sem saber o que era aquilo, eu estava tendo uma crise de riso. Por fim, quando li a embalagem da pasta de dente, descubro que essa situação estranha havia acontecido por que Nelson havia comprado uma cola de dentadura. É, isso mesmo, eu escovei meus dentes com cola de dentadura.

Logo na sequência, ele veio até o banheiro também para escovar os dentes. E eu, vingativa, não falei nada e entreguei a “pasta” a ele. No início da sua escovação eu já estava passando mal de tanto rir. Daí ele percebeu e parou na hora! Cuspiu a pasta e ficou por um tempo sem entender o que era aquilo. Até por que, eu ria tanto que não conseguia explicar.

O resultado disso? Quando voltei a primeira coisa que fiz foi ir até a minha dentista. Ela me consolou dizendo que só o tempo para fazer os meus dentes voltarem ao normal. Eles ficaram ásperos por um bom tempo, mas agora já estão normais. Devo essa ao Nelson, por sua brilhante compra sem ler a embalagem do produto. E a mim mesma, por não tem nem desconfiado que aquela pasta pudesse ser outra coisa. ”